Notícias /

TUDO SOBRE AS ELEIÇÕES 2018

VOTO EM LEGENDA, VOTO BRANCO OU NULO   Resta apenas uma semana para o dia 7 de outubro e boa parte dos brasileiros não faz ideia de quem gostaria de eleger – ou não se sente representado por ninguém. Mas veja as consequências do voto em legenda, do voto branco ou nulo.

VOTO EM LEGENDA A reforma eleitoral aprovada em 2015 modificou as regras de cálculo do voto em legenda com o objetivo de combater o efeito dos "puxadores de voto", parlamentares muito bem votados que acabam "carregando" outros candidatos com votações menos expressivas. No voto em legenda, válido apenas para deputado federal ou estadual, deve-se digitar os dois primeiros números do partido, deixando de completar os outros algarismos que definem o candidato. Mas com a alteração na regra, agora o candidato a deputado federal ou estadual terá que ter, no mínimo, 10% do número de votos correspondente ao quociente eleitoral para se eleger. Do contrário, os votos serão redistribuídos para outras coligações e legendas. Em São Paulo, por exemplo, se o quociente eleitoral ficar entre 280 e 300 mil votos, o candidato para se eleger precisará ter pelo menos 30 mil votos. O voto em legenda é considerado válido e tem consequências diferentes de se anular ou votar em branco. Em resumo, o candidato a deputado federal ou estadual precisará atingir um mínimo de votos (10% do quociente eleitoral) para se eleger. Caso isso não ocorra, a cadeira conquistada pelo partido será perdida.
VOTO NULO OU BRANCO    Os votos nulos e brancos não são considerados votos válidos, ou seja, aqueles contabilizados pela Justiça Eleitoral na hora de verificar os candidatos eleitos. Sendo assim, mesmo que a maioria dos eleitores votem branco ou nulo, a eleição não é anulada, e vence o candidato mais votado. Quando você vota em branco ou nulo, você deixa de votar e está colaborando para a diminuição dos números verdadeiros que cada candidato deveria ter para ganhar uma eleição, o que permite que pessoas com menos votos se elejam. Os votos em branco ou nulos impactam na diminuição da quantidade de votos válidos. A conta não é complicada de fazer: quanto mais votos nulos ou brancos, menos votos válidos um candidato precisará receber para ser eleito. O voto branco ou nulo ajuda quem não tem voto. Beneficia os que têm medo da disputa. Por isso, é fundamental que o eleitor escolha um candidato e vote consciente de que o político o representará.
   É falsa a notícia que continua circulando nas redes de que a maioria de votos nulos anula a eleição. Na verdade, se a maioria dos eleitores votar nulo, esses votos são descartados e ganha o candidato que tiver o maior número de votos válidos.
 

VOTOU, NÃO VOLTA Antes de votar nessas eleições, veja os deputados e senadores que aprovaram projetos que retiraram direitos trabalhistas e sociais e dê o recado nas urnas: votou, não volta CLIQUE AQUI E VEJA OS TRAIDORES DOS TRABALHADORES  
  BOLETIM ELEIÇÕES - 24/09/2018   As eleições deste ano se aproximam e temos a chance de (re)escrever a história do Brasil. Além de ser um ano de mudança no cenário político brasileiro, também é o momento para que o cidadão exerça a sua cidadania e lute por seus ideais dentro do sistema político. E o seu voto pode fazer toda a diferença. Por isso, publicaremos uma série de boletins que ajudarão você a trilhar o caminho até as urnas. Nesta série você terá uma noção completa do que deve ser feito durante a eleição para efetivar a sua cidadania.  
As eleições ocorrem no dia 7 de outubro, em primeiro turno, e no dia 28 de outubro, em segundo turno.
O eleitor terá que fazer seis escolhas na urna porque deverão ser preenchidas duas vagas no Senado Federal em virtude da renovação de 2/3 dessa casa legislativa.
Cuidado no momento de digitar o voto na urna: se o mesmo voto para senador for digitado duas vezes,
o segundo será anulado. É preciso votar em dois candidatos diferentes.
O primeiro voto será o de deputado federal (quatro dígitos). Em seguida, deputado estadual (5 dígitos); senador 1, senador 2 (3 dígitos para cada senador), governador (2 dígitos) e presidente da República (2 dígitos).

« voltar